segunda-feira, 10 de setembro de 2012

O Princípio da Nutrição Funcional


Nessa minha primeira publicação, pretendo desmistificar assuntos que até então não acredito que você tenha parado para refletir a respeito...


Sempre procuro tratar meus clientes, que apresentam algum desequilíbrio em seu corpo (ex: diabetes), e não tratar doenças. Pareceu confuso minha afirmação? Vou explicar de outra maneira: investigo as causas do “problema” e elimino-as, consequentemente acabam os sintomas...


Vou dar alguns exemplos bem simples:


Se você não tem um sono tranquilo há 3 noites porque seu vizinho é barulhento, a solução não é tomar remédio para dormir, e sim dizer ao vizinho que pare de fazer barulho.


Da mesma forma, se uma pessoa tem flatulência (gases intestinais, o famoso “pum”), a solução não é usar remédio para diminuir os gases, mas sim eliminar a causa, ou seja, identificar o que está provocando os gases e retirá-lo. Nesse caso, pode haver uma hipocloridria (falta de Ácido Clorídrico no estômago, que digere proteínas), disbiose (desequilíbrio entre as bactérias patogênicas, ou "más", e os probióticos, as "boas") ou, ainda, hipocloridria + disbiose.


Se você tem Hipertensão Arterial Sistêmica (pressão alta), a solução não está no remédio, mas sim em adequar a ingestão de nutrientes reguladores da pressão arterial, como Potássio, Magnésio e Ômega-3, além de suplementos, como L-Arginina e Óleo de Alho. Porque, se o indivíduo ingere apenas 25% da necessidade desses nutrientes, como pode esperar que sua pressão esteja regularizada?


E outro exemplo: se alguém pisou em um prego e ainda está com ele no pé, a melhor solução para aliviar a dor (sintoma) é antinflamatório ou é retirar o prego do pé (causa)?  


Então, para resumir essa abordagem sobre tratar a causa e não o sintoma, enfatizo que os desequilíbrios (insônia, queda de cabelo, unhas fracas e amolecidas ou com manchas brancas, imunidade baixa, indisposição, infecções constantes) devem ser corrigidos através dos nutrientes...


Tudo no nosso corpo é nutriente: a tireóide precisa de Vitaminas A, D, B2, B3, Zinco, Cálcio, Ferro, Magnésio, Selênio. Se não ingerirmos estes nutrientes, adianta tomar remédio p/ controlar essa glândula? Não parece a resposta correta ingerir mais desses nutrientes citados?


Partindo desse preceito, a obesidade vem sendo à muito tempo “tratada” com uma dieta restrita em calorias (como se a única causa do ganho de peso fosse os exageros alimentares), conduta que não levará a solução do problema, senão era só indicar produtos alimentares diet/light e tomar coca-cola zero que pronto, resultado alcançado...


Para que um indivíduo obeso tenha seu peso readequado, são necessários interligar vários fatores da sua vida: quando tudo começou, como era seu padrão alimentar durante a vida, como o estresse lhe afetava, exames laboratoriais, enfim, realizar todo um rastreamento para evidenciar a causa... Tendo conhecimento da causa, corrigir  torna o retorno ao peso adequado muito mais fácil e prazeroso.

Para começar, focar em uma dieta hipocalórica não é a melhor solução porque o corpo diminui automaticamente a TMB (Taxa Metabólica Basal), as calorias que o corpo gasta em repouso, só para manter o funcionamento do organismo assim, se antes da "dieta" essa TMB era 1500kcal, vai reduzir para 1300kcal, mais ou menos. O que é péssimo!!!

Sem falar que nenhum ser vivo gosta de passar fome. Fome é igual a aumento de Cortisol, hormônio produzido pelas glândulas supra-renais, que, entre várias ações, aumenta os níveis de CPK (Creatina Kinase), que é um marcador de estresse oxidativo e que degrada massa muscular e induz a LIPOGÊNSE (formação e hipertrofia de adipócitos, as células de gordura). Uma dosagem de Cortisol (tanto salivar, quanto sérico, ou ainda de 24h), assim como de CPK pode ser interessante para saber se a degradação de massa muscular está exagerada.

Poxa, então, passar fome faz perder músculo e ganhar gordura... Quem gosta disso????

Todos nós temos uma história de vida, com inúmeros fatores influenciando nosso meio. O estresse, exposição à substâncias tóxicas, insônia, ingestão insuficiente de nutrientes essenciais (fibras, vitaminas, minerais, aminoácidos, ômegas 3 e 9), tudo isso afeta cada indivíduo de uma forma única...


Agora, sabe quais são as fontes desses nutrientes? Aqueles alimentos que muitas pessoas pensam que não devem comer, mas estão equivocadas, podem e devem comer:


Abacate, Amendoim, Azeite extra-virgem, Castanhas e Nozes, Ovo caipira...


Além de frutas, verduras, peixes como sardinha, entre outros alimentos...

Muitos deles bem calóricos, sim. Curiosidade: a "caloria" foi descoberta a menos de 100 anos, e nunca ouve tantas pessoas com excesso de peso. Adiantou alguma coisa descobrir a caloria? Porque? Se come pensando em calorias, não em vitaminas e minerais...

3 comentários:

  1. Gostei muito do seu blog!Você é mto franco e direto, achei tudo mto lógico e interessante! Bem, eu moro no RS, meio longe de vc para consultar, mas me pergunto se seria mais adequado consultar um nutricionista funcional ou um hematologista para descobrir algumas causas de doenças que tenho e a melhor maneira de tratá-las, tenho doenças como hipotireoidismo, refluxo gástrico, estou com difculdade para engravidar tbm... gostaria de conhecer melhor o meu organismo.. o que vc acha? qual melhor caminho nesse caso? Espero q responda, abraço! Mônica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Mônica! Sem dúvida alguma, nutricionista funcional... É importante verificar tudo .
      Refluxo não é difícil de resolver, minha 1ª postagem de julho de 2013 tem a resposta.

      A Nutrição Funcional foca no ser humano, não na doença, isso faz toda a diferença. Leia isto:

      http://www.vponline.com.br/blog/?p=82

      Toxinas (como glúten) são venenos para glândulas (como tireoide), então retirar a causa é primordial... Então, busque a Nutrição Funcional!

      Excluir
  2. Muito obrigada pelas explicações! Vou procurar um profissional na área para me ajudar!

    ResponderExcluir