segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Mudar hábitos alimentares e aderir à uma dieta individualizada: por que é tão difícil?

Essa é uma das dificuldades que muitos nutricionistas, inclusive eu, encontramos: conseguir levar nossos clientes* a colocar em prática aquela dieta perfeita para eles, totalmente adaptada para o paladar, realidade financeira e rotina (horários)... Bom, a resposta vem de muitos anos antes do cliente consultar um nutricionista...

Após o período EXCLUSIVO de amamentação, nossos pais aos poucos foram nos estimulando a experimentar e consumir novos alimentos, já que até então tomávamos apenas leite MATERNO, específico para a espécie humana...

Ressaltei as palavras acima pois sempre haverá quem acredite, erroneamente, que ainda precisamos de leite na vida adulta, e de outra espécie, o que não faz sentido algum, mas isso é assunto para outro artigo...

E esses alimentos que fomos consumindo geralmente tinham o mesmo padrão da dieta de nossos pais, que tinha quais alimentos, aqueles que supriam nossas necessidades nutricionais ou aqueles que supriam nossas necessidades culturais?

Claro que com o passar dos anos, cada um de nós passamos a ter nossas preferências, que caracterizaram nossa individualidade, mas geralmente o padrão formado após o período de aleitamento materno é mantido ao longo da vida...

Quem não associa uma canja de galinha com refeição em família, geralmente na casa da avó? Minha avó paterna frequentemente costumava preparar uma infusão (chá) de Hortelã quando íamos na casa dela: por que sempre tenho essa lembrança quando lembro de Chá de Hortelã e associo isso como algo bom? Porque comer é um ato social. Quem não associa pipoca com filme?

Então o cliente chega para mim e diz que gosta muito dos alimentos A, B, C, D, E, mas tem o hábito de comer sempre os alimentos F, G, H, I, J. É exatamente essa mudança (aliada à atividade física, que TODOS devem praticar) que vai fazer meu cliente emagrecer e/ou ganhar muscular e/ou resolver seu problema de saúde...

Seja para ganhar massa muscular ou emagrecer, deve-se pensar da seguinte forma: “bom, se minha dieta tem tais alimentos e estou insatisfeito com minha forma física atual, tenho que mudar minha dieta, afinal, como posso continuar consumindo os mesmos alimentos e esperar que minha forma física mude?”

Afinal, por quê a primeira refeição do dia (Desjejum) e a refeição da tarde tem que ter pão, café e leite? Por que ao meio-dia a comida tem que ter muito Arroz e/ou Macarrão, Feijão, entre outros alimentos com bastante carboidrato? Isso está certo? É hábito cultural ou é necessidade nutricional? Você quer manter seu hábito cultural ou alcançar seu objetivo? Vou dar um exemplo: se gostas de Omelete, porquê não fazer dessa combinação seu Desjejum? Pode não ser nota 10, mas é muito melhor do que café com leite desnatado com adoçante artificial + pão integral 500 grãos com margarina light sem gordura trans (como se existisse essa margarina)... Não é hábito? Bom, essa refeição citada acima, que muitos pensam ser saudável, é um "veneno" e dificilmente mudará o corpo de alguém...

Penso da seguinte forma: quem quer, consegue... Afinal, sempre há dois caminhos:

·         desistir e ficar se lamentando: sair do cunsultório, fixar a dieta na geladeira com íma e, sempre que vê-la, lembrar-se que nem ao menos tentou seguir à risca por 30 dias, período que dificilmente alguém terá um ataque de choro por deixar de comer besteiras...

·         lutar e vencer: comprar os alimentos e suplementos indicados, sofrer durante os primeiros 15 dias, afinal mudar não é fácil (também não é impossível), adaptar-se após esse período e, em 30 dias, sentir-se muito melhor...

Determinação é uma palavra-chave no caminho até o sucesso...

*Paciente é quem usa o SUS, afinal, quem paga uma consulta, exige resultados, não espera por misericórdia, então é cliente e não paciente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário