terça-feira, 1 de outubro de 2013

Nutrição Funcional e glândula Tireoide


Resolvi transformar essa postagem aqui, a terceira mais antiga deste blog, elaborada há praticamente 1 ano atrás, em algo que permita uma aplicação prática...

Essa glândula sintetiza (fabrica) um dos principais (isso se não for o principal) hormônio do metabolismo, o T3, que age em absolutamente todos os tecidos corporais, órgãos e células... Menos T3 agindo = menor metabolismo basal = dificuldades para reduzir gordura corporal e facilidade para aumentar essa gordura...

A Tireoide é muito afetada por metais pesados (Alumínio, Chumbo, Mercúrio, Boro, Arsênico, Cádmio), pelo glúten (mimetismo celular, aparência muito semelhante), pela Soja e por excesso de Glicosinolatos e Isotiocianatos das brássicas (Couve, Couve-flor, Brócolis, Repolho) que impedem a organificação do Iodo pela enzima Tireoperoxidase (cujo cofator é o Ferro), então, constatar qual é a causa do problema é o primeiro passo para resolver o problema de uma vez por todas...

Citei na postagem os nutrientes mais importantes para a tireóide, hoje vou ressaltar a importância deles e em quais alimentos encontrar:

Acima de tudo --> Iodo: essencial para a formação do hormônio Tiroxina, ou Tetra-Iodo-Tirosina (T4), que será convertido depois em T3 (Tri-Iodo-Tirosina). Fontes alimentares: Frutos do mar, que incluem peixes de água salgada (Atum, Sardinha, Cardoso, Tainha, Tanhora, Enchova, Corvina, etc), Camarão, Ostras, Berbigão, Siri e Algas (Spirulina, Clorella, Nori, entre tantas outras que nem mesmo conheço). Exames que mostram o estado nutricional de Iodo: Tireoglobulina (ideal é entre 8-11mcg/l, quanto mais alto, mais deficiência de Iodo) e Iodo Urinário (menos que 100mcg/l significa deficiência e mais que 300 é excesso)...

Atenção: sem Iodo não há milagres nem T3 para acelerar o metabolismo

Zinco: co-fator da enzima Desiodase tipo 2 (ou Iodinase 2), que converte T4 (inativo) em T3 (a forma realmente ativa do hormônio), nas células, faz parte dos receptores para o T3, ou seja, o T3 só se liga em seu receptor celular se houver Zinco disponível. Fontes alimentares: carnes orgânicas (animal criado solto, alimentação normal da espécie, que pode ser Bovina, Suína, de aves como Galinha e Pato), Frutos do Mar, Ovos caipiras, Sementes (Girassol, Linhaça, ect), Aveia, Amendoim, Amêndoas, Avelã, Castanhas e Lentilha. Exame: o ideal é Zinco eritrocitário (ligado na Hemácia), como a maioria dos convênios não cobrem (por ainda não ser muito solicitado), a dosagem pode ser sérica, a mais comum no sangue. A referência usual é 70-150mcg/dl, mas o ideal é estar entre 100-130mcg/dl.

Selênio: co-fator das enzimas Desiodase tipo 1 ou (ou Iodinase 1), também é essencial para ativar o T3! No metabolismo tireoidiano, Peróxido de Hidrogênio (popularmente conhecido como Água Oxigenada) é uma substância indispensável em quantidades adequadas, mas em alta concentração torna-se agressiva demais, levando à necrose (perda da função tireoidiana). Para manter níveis adequados dessa Espécie Reativa de Oxigênio, a enzima Glutationa Peroxidase (GPx) entra em ação, cujo co-fator é... Selênio!!!!!!!! Nível ideal no sangue: entre 95-110mcg/l (a referência usual é 50-150mcg/l). Fontes alimentares: Semente de Girassol, frutos do mar (Camarão, Ostra, Sardinha, Castanha do Brasil, Amêndoa, Avelã e Alho cru. O solo do Ceará e do litoral de Santa Catarina é rico em Selênio, então, alimentos cultivados nestes solos certamente são mais ricos nesse mineral.

Tirosina: aminoácido não-essencial, fabricado a partir de outro aminoácido (Fenilalanina), sua deficiência é muito rara, pois é facilmente obtido em uma boa dieta com carnes, ovos e whey protein. 

Percebam como é interessante: os mesmos minerais indispensáveis para a Tireóide (Magnésio, Zinco, Selênio, Ferro, Cálcio) são aqueles que ajudam a eliminar metais pesados (citados no início do post) e assim reequilibram a tireoide...

8 comentários:

  1. Prezado Dr. Luiz,

    a redução do T4L (0,63ng/dL) e do T3L (0,53 pg/mL) com TSH (1,76 uUI/mL) e a alteração dos níveis de TGO/AST (77U/L) e TGP/ALT (185U/L) podem ser provocadas pela alteração na dieta (estou em low-carb/paleo há dois meses) ou tem outro tipo de causa?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quanto tempo antes de mudar o estilo de dieta foi realizada a última análise da Tireoide e quais foram os resultados? A abstinência de Carboidrato pode diminuir a atividade da tireoide... Individualidade: tem pessoas cujo metabolismo é reduzido (tireoide "preguiçosa") com ZERO carboidrato (menos que 40-50g por dia). Repito, isso é individual, não é regra geral.

      Excluir
    2. Meu exame anterior foi feito em maio deste ano e o valores foram TSH (2,885 uUI/mL) e T4L (1,03 ng/dL). A T3L nunca foi medida antes. Faz dois meses que estou em dieta low-carb/paleo. Acredito também que meu caso seja poucos carboidratos. De qualquer modo vou procurar meu médico para verificar. Muito obrigada pela tua atenção!

      Excluir
    3. Está consumindo castanhas do Brasil (quantas?) e outras oleaginosas frequentemente? Com mais nutrientes, há menos esforço para a Tireoide e maior conversão de T4 (por isso o T4L pode diminuir) para T3, com isso, o TSH diminui (agora sim ele está na faixa ideal). Como não havia exame de T3L, é difícil avaliar a evolução. Sobre as transaminases (ALT e AST), faltou a GGT e padrão anterior era??????

      Excluir
  2. Consumo uma castanha do Brasil por dia e amêndoas, castanha de caju e nozes de 20 a 30 gramas por dia.
    Nunca fiz exame para avaliar a GGT. Em maio, o padrão de ALT era 16U/L e de AST 22U/L.
    Abraços e obrigada pelo retorno!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma comparação de fácil entendimento: se vc está fazendo uma faxina na sua casa e chegar alguma visita, provavelmente ela entenderá que há uma bagunça enorme. No entanto, se ela chegasse 4 horas mais tarde, já estaria tudo limpo.

      Pense em todas as mudanças benéficas no corpo como uma faxina: coletar exames quando a faxina está pela metade não é uma boa hora, parece que tem bagunça no corpo.

      Espere mais 2 meses, mantenha o padrão alimentar low-carb, e repita todos os exames que deram alterações.

      Aí a faxina estará praticamente terminada e será realmente mais confiável qualquer interpretação...

      Excluir
  3. Ótima comparação! Muito obrigada, Dr. Luiz!

    ResponderExcluir
  4. Ola, doutor. Poderia me tirar uma duvida ? Faço low carb há16 meses. Nesses 12 meses eliminei 12 kg pra minha alegria, no entanto, nos ultimos não consigo eliminar mais nenhum embora continue com a dieta. Fiz exames e mostrou TSH . 9.13 . Será esse o motivo do peso estacionado?! Obrigada.

    ResponderExcluir